Visitar Varsóvia, a cidade da modernidade histórica (Parte 2)

por 2serependiters
2 Comentários

A história de Varsóvia é povoada de guerras e destruição, a mais significativa ocorreu aquando da invasão Nazi em 1939. Aquela cidade que antes da guerra era um centro cultural e científico próspero e dinâmico, foi num espaço de horas, vítima das bombas dos aviões da Luftwaffe, o que fez com que muitos dos edifícios, palácios e monumentos existentes fossem destruídos, sem qualquer possibilidade de recuperação.

O esforço de renovação e reconstrução permitiu que grande parte da zona histórica fosse recuperada mantendo as mesmas características do período pré-bélico, e algumas zonas, nomeadamente a cidade velha, sobreviveram aos bombardeamentos e mantêm aquele ar glorioso que também caracterizava as cidades europeias no início do século XX.

Roteiro pela cidade

Monumento a Nicolau Copérnico (Pomnik Mikołaja Kopernika)

Uma das grandes personalidades da ciência Mundial e sobretudo da histórica polaca  foi o cientista Nicolau Copérnico. Nascido em 1385 na Polónia, é a este homem que devemos a descoberta do heliocentrismo, ou seja, de que a terra gira à volta do sol e não o contrário.

Esta grande estátua merece mesmo ser visitada, não só por ser extremamente detalhada e realista, destacando Nicolau Copérnico sentado numa cadeira com o seu modelo do sistema solar em metal, mas também pelo pormenor muito interessante do mármore no chão ter gravações metálicas com a posição dos vários planetas do sistema solar.

Varsóvia - Copérnico

Monumento a Nicolau Copérnico

Rua Nowy Swiat/ Universidade de Varsóvia (Ulica Nowy Świat /Uniwersytet Warszawski)

Esta é uma das ruas mais famosas da capital Polaca ligando a zona mais moderna de que falámos na parte 1 deste roteiro até à cidade velha. Na realidade, esta rua não é uma simples via de ligação de cidade, mas sim uma viagem pela história de Varsóvia e pelo estilo arquitectónico polaco-prussiano.

Destacamos a presença permanente de canteiros de flores bem tratados ao longo de toda a rua e sobretudo as casas coloridas em tons claros que criam uma imagem de marca da cidade e nos transmitem uma sensação de calma e alegria.

Algumas centenas de metros após o início desta rua fica o edifício da Universidade de Varsóvia. Criada em 1816, a reitoria da universidade é um edifício glorioso, rico e que convida a várias fotos. Merece totalmente uma paragem e um momento de contemplação.

Palácio Presidencial (Pałac Prezydencki)

O palácio presidencial foi construído em 1643 num estilo neoclássico que nos impressiona facilmente ao passarmos pelas grades com apontamentos dourados e bustos com leões igualmente em talha. No centro deste complexo encontra-se a estátua de Józef Antoni Poniatowski,  príncipe polaco e grande líder militar que se viria a tornar mais tarde marechal no grande exército Francês.

Actualmente é aqui a residência oficial do presidente da república polaca, razão pela qual a entrada é restrita e são aparentes as medidas de segurança extrema. Ainda assim aconselhamos a passagem pelo palácio e acima de tudo que reparem na fachada principal do edifício, com as suas arcadas imponentes.

Varsóvia - Palácio Presidencial

Vista exterior do Palácio Presidencial

Praça Zamkowy / Castelo Real de Varsóvia (plac Zamkowy / Zamek Królewski)

Depois de tantos monumentos, palácios, igrejas, estátuas, espectáculos… depois de termos absorvido tanto do que a cidade de Varsóvia nos oferece, chegamos então àquele que é o ponto nevrálgico dos percursos turísticos pela cidade e um dos locais mais bonitos que não pode deixar de ser visitado.

A praça Zamkowy é um daqueles locais onde o nosso primeiro impulso é de tirar fotos, um pouco com o receio de não conseguirmos absorver tudo o que os nossos olhos vêem. No centro deste rossio amplo encontra-se a famosa coluna de Sigismundo, erigida em 1644 e que homenageia o Rei Sigismundo que em 1596 foi o responsável pela mudança da capital polaca de Cracóvia para Varsóvia.

Quando olhamos a 360 graus nesta praça, conseguimos ter uma pintura completa da verdadeira identidade de Varsóvia: Vemos simultaneamente as muralhas da cidade velha, a rua Krakowskie com os seus palácios e igrejas, a cidade velha com as suas casas tradicionais e claro, imponente e grandioso o Castelo Real de Varsóvia.

Este castelo foi durante muitos séculos a residência de reis e rainhas e na sua história, foi parcialmente destruído várias vezes, sendo mais um símbolo da resiliência e coragem dos habitantes de Varsóvia. Se tiverem possibilidade, vale a pena a visita, custando apenas 30zł (Aproximadamente 7€).

Por fim, aconselhamos a subida à torre taras widokowy (Podem comprar bilhetes aqui), que fica num dos extremos da praça e que permite uma vista privilegiada quer para a cidade velha, que para a zona ribeirinha do rio Vistula.

Cidade Velha de Varsóvia (Stare Miasto)

Património da UNESCO, a cidade velha de Varsóvia é uma viagem histórica e cultural que não deixa ninguém indiferente. De facto as ruas relativamente estreitas e rodeadas de casas coloridas e com padrões desenhados convidam-nos a embrenhar-mo-nos e a ir sem rota traçada.

É nesta zona com mais de 600 anos que encontramos muitos dos melhores cafés e restaurantes da cidade. Foi também aqui que descobrimos algumas lojas verdadeiramente peculiares, das quais destacamos a loja de antiguidades Lapidarium, uma verdadeira viagem pela história da Polónia e onde há muita coisa à venda por poucos zlotis.

O expoente máximo da visita a esta zona da cidade é a antiga praça do mercado (Rynek Starego Miasta), considerado por muitos o verdadeiro coração de Varsóvia desde o século XIII. Ficámos verdadeiramente deslumbrados com a harmonia arquitectónica do edificado que rodeia a praça com as casas bem cuidadas e coloridas que nos convidam a imaginar as histórias que tantas vezes vemos retratadas em filmes.

É também nesta praça que se encontra a estátua mais simbólica de Varsóvia e que figura no brasão heráldico da cidade: A sereia de Varsóvia. Também chamada de syrenka é um dos panos de fundo mais requisitados por turistas. Se conseguirem arranjar um espacinho mais calmo em volta da estátua, tentem apreciar o detalhe incrível desta estátua criada por Konstanty Hegel.

Fortaleza e Muralhas de Varsóvia/Ruas Freta e Mostowa (Barbakan Warsawvski)

No fim de explorarmos a cidade velha ainda nos aguarda mais um recorte histórico desta cidade. Falamos da fortaleza e muralhas de Varsóvia, a maioria ainda bem conservadas e com a possibilidade de seguir num passeio paralelo a toda a edificação que não foi destruída nos bombardeamentos. É também aqui que é possível ter uma das melhores vistas para a outra margem da cidade (Praga). Infelizmente a fortaleza (Barbakan) estava em obras aquando da nossa passagem pelo local, pelo que não pudemos visitar este monumento.

Nos limites da cidade velha e das suas muralhas, encontra-se uma zona com muito para explorar. As ruas Freta e Mostowa oferecem uma viagem arquitectónica interessante e toda esta área tem muitas igrejas e um mosteiro que merecem uma visita.

Tivemos ainda a sorte de nesta zona estarem a gravar um filme relacionado com a ocupação nazi em Varsóvia para o qual se utilizou neve artificial em muitas destas ruas, numa tentativa de recriar um cenário invernoso. Foi uma experiência incrível, especialmente porque pudemos até interagir com alguns dos figurantes nos seus trajes históricos.

Parque Lazienki (Łazienki Królewskie)

Varsóvia é uma cidade extremamente amiga do ambiente e que privilegia muito o contacto com a natureza. De facto, numa cidade com 88 parques, torna-se difícil visitá-los todos ou escolher um para visitar, mas optámos pelo parque Lazienki.

Este é o maior parque da cidade, mas acaba por ser muito mais que um parque. Passámos uma manhã inteira neste parque ao longo da rota aconselhada, a rota Real. Começamos o percurso com a Orangerie, um edifício palaciano num estilo neoclássico puro e rodeado por um parque muito bem tratado, preenchido de estátuas e com uma fonte de água perfeitamente trabalhada.

O ponto alto deste parque que acaba por ser na realidade um museu ao ar livre é o palácio Lazienkowski, construído no século XVII e que constituiu desde cedo a residência de verão de sucessivos reis polacos. Trata-se de um palácio perfeitamente enquadrado com o parque e construído numa ilha artificial no meio de um lago, o que ainda contribui mais para realçar a beleza deste local.

Este parque é enorme e por isso aconselhamos que se percam e explorem livremente sem rota predefinidas. Se tiverem sorte como foi o nosso caso, vão ter a companhia quase permanente dos habitantes mais divertidos do parque, os esquilos.

Este post termina o roteiro por Varsóvia, uma cidade com alma de cultura e dinamismo, talhada pela sua história e que nos marcou muito! Ainda hoje sentimos saudades de tudo o que vivemos nesta cidade e sobretudo de todo o enquadramento criado pelas cores de outono que já se notavam facilmente pelas ruas.

Sugerimos

2 Comentários

Cristina Outubro 2, 2018 - 8:14 pm

Fiquei curiosa. O post está optimo e faz-nos desejar conhecer a cidade.

Responder
2serependiters Outubro 11, 2018 - 9:24 pm

Varsóvia é uma cidade muito bonita e vale a pena visitar! Também visitamos Cracóvia…outra cidade fantástica… Iremos partilhar no nosso proximo artigo! 🙂

Responder

Deixe um comentário