Visitar Edimburgo, a cidade esculpida pela história (Parte 1)

por 2serependiters
8 Comentários

Há viagens que fazemos e que estavam nos nossos planos há bastante tempo. É verdade que todas as viagens nos marcam de certa maneira, mas quando um destino flutua no nosso imaginário há tantos anos e conseguimos finalmente visitá-lo, é uma sensação indescritível. A Escócia é um desses exemplos! Desde pequenos que ouvíamos falar nesta terra, tão a norte, onde há muitos castelos e animais selvagens, quiçá dragões… Há muito que perdemos estas ideias místicas acerca deste país mas a curiosidade ficou ao longo dos anos e por isso não desistimos da ideia de visitar Edimburgo e as terras altas escocesas.

Podemos desde já adiantar que a Escócia não só preencheu todas as expectativas que tínhamos, como nos surpreendeu a cada minuto. Visitar Edimburgo foi uma surpresa contínua! O nosso primeiro destaque geral vai para a história deste país. Hoje integrada no Reino Unido, nem sempre foi assim. Historicamente habitada por tribos celtas, esta região foi invadida pelos romanos que apenas conseguiram manter a sua influência na região durante 40 anos. A união das tribos escocesas foi conseguida no século IX e o primeiro reino da Escócia aconteceu no século XII, sob a coroa de Alexandre I.

Durantes vários séculos a Escócia lutou para se manter independente, com várias batalhas contra a Inglaterra, mas também contra a Irlanda e Noruega. Finalmente no século XVII deu-se a união das coroas Escocesa e Inglesa sob o domínio de James V.

Este pequeno resumo (Muito pequeno para conseguir traduzir o quão fantástica é a história Escocesa) mostra um pouco do que encontrámos neste destino: Um património incrível por descobrir, paisagens marcadas pela história e cheias de histórias, um povo orgulhoso dos seus feitos mas sempre simpático e receptivo e todo um ambiente que tão cedo não esqueceremos. É desta forma que iniciamos então a nossa viagem pela Escócia e esperamos acima de tudo que consigam viajar também através destas palavras. Vamos então visitar Edimburgo?

Edimburgo

Cheguei ao aeroporto. E Agora?

O aeroporto internacional de Edimburgo fica ligeiramente a oeste do centro da cidade, mas ainda assim, integrado com os bairros mais exteriores da cidade. O sistema de transportes na cidade é assegurado essencialmente pelo autocarro e pelo eléctrico, sendo bastante eficiente no geral. Para sair do aeroporto em direcção ao centro existem autocarros especiais operados pela companhia de transportes de Edimburgo: O Airlink 100, que funciona durante 24h e que passa de 10 em 10 minutos, o Skylink 200 que funciona até à meia-noite e passa de 30 em 30 minutos, o Skylink 300 e o Skylink 400. O que varia nestes autocarros é o percurso que fazem na sua viagem para o centro da cidade.

Os bilhetes podem ser adquiridos com o condutor, reservados online aqui ou comprados directamente no quiosque da Lothian junto ao ponto de partida. Uma viagem apenas de ida custa £4,50 e uma viagem de ida e volta £7,50. Um ponto muito importante: Apenas o Airlink 100 disponibiliza troco caso queiram adquirir o bilhete com o condutor. Assim, se tiverem um cartão contactless, é uma óptima ajuda nos autocarros.

Onde ficar em Edimburgo?

O tema do alojamento em Edimburgo é por vezes problemático e foi algo que quisemos resolver o quanto antes. Para visitar Edimburgo, a maioria dos hotéis fica na parte velha da cidade e mais próximo das principais atracções turísticas, o que faz com que o preço possa ser proibitivo para quem quiser visitar Edimburgo. Para além disso, pretendíamos ter uma experiência muito mais enriquecedora também com o alojamento. Assim, como já tínhamos feito em viagens anteriores, optámos por utilizar o serviço Airbnb, mas desta vez, optámos apenas por um quarto numa casa de partilhada. Foi a melhor decisão que tomámos!

Ficámos numa zona com uma arquitectura tipicamente britânica, num bairro calmo a oeste do centro da cidade, mas ainda assim bastante próximo desta. A casa era espectacular, extremamente limpa e acolhedora, mas o melhor de tudo foi a simpatia da nossa anfitriã, de quem ficámos amigos e a quem agradecemos por toda a disponibilidade durante a nossa estadia. Ao percorrer as ruas do nosso bairro de manhã e à noite nunca deixámos de ficar impressionados com a beleza e harmonia daquele local. A paragem de autocarro ficava a uns meros 10 minutos e nem dávamos pelo tempo passar… Lá vem o autocarro de dois andares vermelho.

Edinburgh - Craigmont view
Craigmount View

Castelo de Edimburgo

Há monumentos que são cartaz de muitas cidades sem nunca serem na realidade parte da vida dessa cidade. O Castelo de Edimburgo é o oposto disso, estando não só numa posição alta e central na cidade, mas sendo também um local adorado por todos os locais e um dos mais importantes da própria história escocesa. Ao visitar Edimburgo interrogamo-nos sobre o que faz deste local um dos mais marcantes desta cidade? Vários factores… mas começando pela sua história, existem registos que confirmam que naquele local existiria já uma pequena aldeia fortificada na idade do ferro e desde então sempre ali existiu um castelo.

O pico da importância histórica deste local aconteceu entre o século XII e o século XV, sendo esta a residência oficial do Rei e corte escocesas e um bastião impenetrável da Escócia, que funcionava como o último reduto da protecção da cidade contra os invasores. É também aqui que se encontra a capela de Saint Margareth, considerado o edifício mais antigo de Edimburgo, datando do século XII e um dos poucos que resistiu aos tiros de canhão ao longo dos sucessivos cercos a esta fortaleza.

Para nos deslocarmos para o Castelo fomos de autocarro e saímos (erradamente!) na paragem de Haymarket. Daí, fizemos todo o percurso a pé entrando no castelo pela sua vertente mais acentuada, o que acaba por realçar ainda mais o edificado. A entrada do Castelo impressionou-nos logo por ainda conservar a ponte levadiça e todos os símbolos heráldicos do antigo reino da Escócia. Logo a seguir à entrada encontra-se um átrio onde é possível adquirir os bilhetes, ficando cada um a £18,50 (Estando também disponível online, por um valor mais reduzido).

A primeira secção visitável do Castelo destaca sobretudo a história daquela fortaleza, com vários painéis ilustrativos acompanhados da cronologia do reino escocês. Há medida que vamos subindo dentro do castelo, chegamos à antiga casa do governador e ao centro de comando das forças militares escocesas, que era o antigo quartel do regimento de Edimburgo e que é hoje também o museu deste histórico batalhão militar a que se associam os famosos kilts e as gaitas de foles no campo de batalha. Toda a arquitectura das estruturas do castelo é tipicamente escocesa, com paredes e telhados em pedra e grandes janelas.

É também possível no castelo visitar as jóias da coroa escocesa, utilizadas pela última vez pela rainha Mary no século XVI. Infelizmente não é possível fotografar a coroa e o ceptro da rainha, mas podemos dizer que são peças de uma riqueza incrível e com um tamanho superior ao que esperávamos. A última surpresa deste magnífico local estava guardada para o fim na antiga catedral do castelo. Pela arquitectura exterior, estávamos a contar encontrar uma igreja rica e cheia de história e encontrámos na realidade o memorial ao soldado escocês. Ficámos positivamente surpreendidos pela beleza de todo o interior, com todas as insígnias militares gravadas na pedra e até armas e bandeiras esculpidas. Esta foi uma daquelas surpresas que não esperávamos ao visitar Edimburgo!

A nossa visita ao castelo terminou com a passagem pelo museu nacional da guerra (Incluído no bilhete) e é daqui que se consegue uma das melhores vistas para toda a cidade e para a famosa montanha colada à cidade, o monte Arthur’s Seat. Adorámos verdadeiramente visitar o Castelo de Edimburgo e apesar do preço relativamente alto do bilhete, acreditem que vale cada cêntimo!

Royal Mile

Esta é possivelmente uma das ruas mais famosas da Europa e sem qualquer dúvida a rua mais famosa de Edimburgo. Na realidade, a Royal Mile é uma sucessão de ruas que atravessam a cidade antiga e cujo o nome surge do facto da rua ter exactamente uma milha entre o Castelo de Edimburgo e o Palácio de Holyrood e de ser este o percurso feito pelos reis aquando da sua coroação.

Primeira secção – Castle Hill

Os primeiros metros da Royal Mile foram para nós um verdadeiro regalo para os olhos. Após sairmos do castelo, esta rua larga e muito movimentada convida-nos a descer por ali. A magia deste local torna-se ainda maior pelo facto de ser natal e de todas as lojas terem árvores e decorações de natal ao longo da rua. Destacamos claro a beleza arquitectónica dos edifícios e o equilíbrio perfeito de cores e de vida na rua. É nesta primeira parte da Royal Mile que se encontra a famosa Camera Obscura, um museu de ilusões ópticas e magia criado na primeira metade do século XIX e historicamente uma das principais atracções de Edimburgo. Mas não é apenas como museu que se destaca este edifício… É também aqui que está uma das melhores vistas da cidade, algo que se consegue subindo à outlook tower, um exercício arquitectónico e filosófico adicionado no final do século ao edifício.

Edinburgo - Royal Mile
Início da Royal Mile, com a Outlook tower ao fundo

É também nestes primeiros metros da Royal Mile que se encontram alguns dos mais antigos armazéns têxteis da cidade. Aqui aconselhamos a que explorem bem o interior das lojas e garantimos que vão ficar impressionados, como nós ficámos, sobretudo com os variados tamanhos de gaitas de foles e com a miríade de padrões de Kilts e cachecóis. Por fim, os fãs da série Harry Potter vão adorar este local onde se encontram todo o tipo de objectos do mundo criado por JK Rowling e sem dúvida que visitar Edimburgo é obrigatório para os fãs desta série.

Segunda secção – Lawnmarket

Continuando a descer esta famosa rua, torna-se difícil notar a diferença entre as várias partes históricas que a distinguem, sobretudo porque nos mantínhamos deslumbrados com a arquitectura de todos os edifícios, com as fachadas em pedra tão antigas e ao mesmo tempo optimamente conservadas e cheias de vida, com trepadeiras verdes e pubs animados. O nosso destaque nesta zona vai para os vários edifícios em estilo barroco, nomeadamente o antigo edifício do Banco da Escócia e as várias lojas onde é possível comprar lãs de caxemira e de produção totalmente escocesa.

Terceira secção – High Street

Este é o ponto alto da Royal Mile e a maior extensão em metros desta famosa rua. Há medida que vamos entrando na High Street, vamos notando o aumento de turistas e simultaneamente o som alegre e vibrante de alguém a tocar gaita de foles. O nosso primeiro destaque vai para a famosa catedral de Saint Giles. Esta igreja construída no final do século XIV foi e continua a ser o local mais importante da igreja escocesa, sendo considerado por muitos como o local do nascimento do presbitarianismo. A entrada na catedral é gratuita e podemos já dizer que é obrigatória para qualquer turista ao visitar Edimburgo ! Assim que entramos é impossível não ficar deslumbrado com os trabalhados esculturais nas abóbadas e com as obras de arte executadas nos vitrais. Não existe muita riqueza em peças ou imagens religiosas, mas ainda assim sentimos muita riqueza histórica e cultural neste local.

É também nesta secção que se encontra o antigo parlamento escocês e o supremo tribunal escocês, ambos edifícios magníficos e que é impossível deixar passar sem um olhar mais atento. Ficámos também muito surpresos por encontrar uma estátua de David Hume, um dos homens que mais marcaram a história da filosofia mundial. Continuando a descer a High Street, passámos junto à câmara municipal da cidade e entramos numa zona cheia de pubs e restaurantes, cheia de música e vida, uma constante ao longo de toda a Royal Mile.

Quarta secção – Canongate e Palácio de Holyrood

A última secção deste percurso tão especial não é tão movimentada nem tão rica como as anteriores, mas ainda assim reserva-nos surpresas muito agradáveis. Os edifícios vão ficando gradualmente mais baixos e as lojas vão-se tornando cada vez mais familiares, com imensas lojas de brinquedos e de artesanato. Destacamos ainda o relógio de um dos pubs que curiosamente não está dentro do edifício mas sim saliente e suspenso no ar, como se de uma chaminé lateral se tratasse.

A última paragem da Royal Mile é o palácio de Holyrood. O palácio foi originalmente construído em 1128 e serviu como residência oficial da maioria dos Reis da Escócia. Hoje em dia é a residência da rainha da Inglaterra na Escócia e é visitado por esta geralmente no Verão. A entrada no palácio é paga e achámos que o valor exigido era bastante elevado, por isso, acabámos por ver o palácio apenas a partir do portão principal. Ainda assim, é totalmente perceptível a riqueza deste local e a sua beleza arquitectónica que fazem com que seja uma ponto obrigatório ao visitar Edimburgo.

Terminamos assim a primeira parte do roteiro pela magnífica cidade de Edimburgo, com o foco neste histórico eixo fantástico e verdadeiramente enriquecedor para qualquer turista. Visitar Edimburgo foi incrível e amámos cada segundo nestes locais. Na segunda parte do roteiro vamos continuar a puxar o véu a esta que é uma das mais belas cidades que já visitámos.

Sugerimos

8 Comentários

armanda Janeiro 7, 2019 - 10:27 am

Gostei de rever esta cidade, todo o país é lindo. Visitei -o em agosto

Responder
Liane Janeiro 20, 2019 - 1:42 pm

I Love your description

Responder
Natara Denardi Fevereiro 18, 2019 - 12:00 am

Olá, adorei a vossa publicação. Obrigada por partilharem.
Fizeram só dois dias para Edimburgo?

Responder
2serependiters Fevereiro 18, 2019 - 7:45 am

Obrigado pelo comentário! Sim, fizemos dois dias para Edimburgo.

Responder
Cristina Lemos Abril 27, 2019 - 11:03 pm

Boa noite. Reparou se no Airlink 100 havia a possibilidade de pagar a viagem com cartão multibanco? Pergunto, porque estava a pensar não levar libras de Portugal e apenas levantar lá quando chegar ao centro da cidade.

Responder
2serependiters Abril 29, 2019 - 12:08 pm

Boa tarde Cristina, é possível usar se tiver um cartão que suporte o sistema contactless.

Responder
Cristina Lemos Abril 28, 2019 - 12:14 am

Já comprei os bilhetes online. Grata pelas suas fantásticas dicas.

Responder
Cristina Lemos Abril 28, 2019 - 12:33 am

Olá, gostei imenso da vossa descrição. Percebi que fizeram dois dias em Edimburgo. Fizeram a primeira parte do roteiro como está aqui descrita num dia e a segunda parte do roteiro no outro dia?
Obrigada desde já pela atenção dispensada.

Responder

Deixe um comentário