Aguardente da Lourinhã DOC- Ímpar e cheia de potencial

por 2serependiters
0 Comentário

Uma das nossas grandes convicções no que toca a viagens é a de que muitas vezes, o melhor da descoberta numa viagem é o património imaterial, as experiências e as tradições, muito mais do que o físico, por mais belo que seja. Partindo deste ponto, adoramos explorar o que Portugal nos pode oferecer neste campo e somos quase sempre surpreendidos. Desta vez fomos descobrir um produto com uma qualidade acima da média e com um um potencial sustentável e de crescimento que tem permitido que chegue a todo o território nacional e também além fronteiras. Falamos da aguardente da Lourinhã DOC.

Um pouco de história…

Desde sempre que a zona da Lourinhã mantém uma tradição na produção vinícola. O clima ameno resultante da proximidade da costa é uma das principais razões que levam a que por aqui se produzam uvas de elevada qualidade e que exista compatibilidade com vários tipos de castas distintas. Para além disso, também os solos desta zona, com alguma predominância argilosa e de arenitos, contribuem para acentuar o sabor e as outras particularidades das uvas na região.

A história da produção de aguardente na Lourinhã perde-se na história da própria vila. Aqui sempre se produziu aguardente de grande qualidade, razão pela qual os produtores de vinho do Porto se dirigiam aos produtores lourinhanenses para comprar a aguardente vínica utilizada no processo de maturação do vinho do Porto.

Foi desse processo que nasceu a adega cooperativa da Lourinhã, criada em 1957 e em funcionamento deste então. Mais importante ainda é a forma como esta adega encara o futuro, procurando continuamente melhorar os seus processos de produção e tentando cada vez mais inovar com novos produtos, tendo sempre por base a famosa aguardente da Lourinhã DOC.

O que distingue a Aguardente da Lourinhã?

A aguardente da Lourinhã é, a par com as áreas de Cognac e Armagnac em França, a única região demarcada de origem comum (DOC) para produção de aguardente vínica em Portugal. Integram esta região todas as freguesias do concelho de Lourinhã, as freguesias de Atouguia da Baleia e Serra D’el Rei no concelho de Peniche, a freguesia de Olho Marinho em Óbidos, Vale Covo no Bombarral e Campelos no concelho de Torres Vedras.

Para além de apenas serem usadas uvas produzidas nesta região, também existe uma lista de castas aceites, brancas e tintas. Todo este processo tem ainda a supervisão da comissão vitivinícola de Lisboa, que assegura o cumprimento de todas as normas definidas para esta aguardente DOC. No final do processo, é produzida uma aguardente única, com a classificação X.O (Extra Old), assegurando que esta tem mais de 5 anos de envelhecimento e com o selo especial DOC. O produto final é mais do apenas algo nacional… é especial e inconfundível.

A visita

O dia convidava a uma experiência em espaços fechados e por isso, nada melhor do que passar o início de tarde embrenhados na riqueza histórica e patrimonial da adega cooperativa da Lourinhã. Assim que chegamos destaca-se imediatamente o edifício da adega, que se mantém isolado num descampado mas imponente com a sua torre no topo da qual se pode ler DOC. Ao lado do edifício da adega, onde hoje apenas encontramos um terreno abandonado, eram as antigas instalações, mas deste complexo apenas resta agora a antiga balança para pesar os camiões carregados de uva.

O nosso guia para aquela tarde tinha acabado de chegar. João Catela é o presidente da adega cooperativa da Lourinhã à mais de 20 anos e é a ele que muito se deve o sucesso fantástico que esta instituição tem tido. Tantos anos de dedicação a este projecto asseguram-nos de que não poderia existir ninguém mais indicado para nos explicar tudo sobre esta aguardente e sobre a adega. De uma forma apaixonada vai-nos contando acerca da história da adega e do que torna a aguardente da Lourinhã única no Mundo.

Passamos uma porta grande de madeira e à nossa frente temos agora dezenas de cascos que compõem uma imagem única, onde as paredes escuras devido à evaporação do álcool são marca da história tão rica desta adega. Uma das particularidades da produção de aguardente da Lourinhã é que todos os cascos ali utilizados, de madeira de carvalho português ou francês, cumprem ali todo o seu ciclo de vida. É nesta adega que iniciam o seu processo de transferência de propriedades para a aguardente e ali terminam com a última vez em que dão um último toque mágico àquele produto.

Cada casco tem escrito a giz branco o ano em que recebeu a aguardente para maturação, o que no caso da adega cooperativa da Lourinhã é um processo longo e que assegura que cada lote produzido tem no mínimo 13 a 14 anos de tempo de maturação, que culminam num sabor e tonalidade únicos. Vamos percorrendo os corredores da adega e a certa altura o Sr. João com uma pipeta retira directamente de um casco aquela que é uma aguardente ainda no processo de encorpamento, mas já com uma cor e cheiro fantásticos. Se dúvidas existissem quanto há qualidade incrível desta aguardente, diríamos que qualquer pessoa ficaria rendida naquele momento.

O casco mais antigo guarda a colheita de 1989, 30 anos de um processo complexo, que apura o melhor dos sabores, realça a melhor das cores e que culmina num produto especial e ímpar no Mundo. Terminamos a passagem pela adega na zona de armazenamento de produto final, onde acontece mais um processo que faz deste produto algo especial. Aqui a rotulagem e finalização das garrafas é feita manualmente, com a dedicação que só uma pessoa pode colocar sobre uma tarefa como esta. Nos acabamentos finais incluem-se as históricas fitas com as cores da bandeira portuguesa e um lacre vermelho marcado com o símbolo da adega.

A visita termina com uma conversa longa na zona de provas, onde ficámos a saber mais acerca do reconhecimento que a aguardente da Lourinhã tem tido ao longo dos últimos anos. Este produto produzido pela adega cooperativa da Lourinhã tem arrebatado todos os galardões possíveis nas categorias a que se propõe e das quais destacamos: Medalha de ouro do prémio da associação vitivinícola de Lisboa desde 2013! Para além disso é impossível não ficar impressionado com as várias edições especiais da aguardente da Lourinhã e até com o pulverizador de aguardente para colocar em sobremesas ou com um simples café. Para aqueles que gostam de doces, é também possível provar bombons de chocolate com aguardente da Lourinhã.

Não temos qualquer dúvida de que visitar a adega cooperativa da Lourinhã é fazer uma viagem pela tradição e pela arte de bem fazer um produto único no Mundo. Para além disso, a crescente divulgação da aguardente da Lourinhã DOC é o resultado de muita dedicação, mas acima de tudo, da visão desta adega, para quem o futuro é uma oportunidade e o presente uma janela para mostrar o que de melhor ali se faz.

Agradecimentos

Queremos desde já agradecer à adega cooperativa da Lourinhã na pessoa do Sr. João Catela. Mais do que o facto de ter sido um guia fantástico, foi acima de tudo um grande amigo e é impossível não nos deixarmos levar pela paixão com que nos transmitiu todo o saber e arte de fazer aguardente da Lourinhã. Para além disso, agradecer também o ter-nos recebido excepcionalmente ao fim-de-semana. Um muito obrigado por tudo!

Sugerimos

Deixe um comentário