Visitar Odemira, o Alentejo singular

por 2serependiters
0 Comentário

O Alentejo é sem qualquer dúvida uma das nossas regiões favoritas. Já nos tínhamos perdido no interior alentejano (Podem ler mais aqui) mas a faixa litoral permanecia para nós um verdadeiro diamante em bruto. Visitar esta região portuguesa é sempre uma experiência que nos marca, acima de tudo, pela arte de bem receber destas gentes e pela gastronomia que nos leva a viajar sem sair do lugar e que conjuga em sabores as sensações que os cheiros e o olhar nos vão oferecendo ao longo da viagem. Escolhemos assim visitar Odemira, um município onde o azul do mar se encontra com as planícies douradas, onde as montanhas se encontram com extensas praias e onde a história se une às artes e à cultura.

Rapidamente descobrimos que o município de Odemira é o maior do país, com uma extensão que ultrapassa os 1700 km2 e com uma variedade de biomas e de paisagens verdadeiramente ímpar. Visitar Odemira é acima de tudo um apurar dos sentidos numa viagem que nos marca a cada momento.

Um pouco de História

Nestas terras que são um expoente natural, a presença humana terá começado com os celtas, tendo-se estendido também ao período romano, com algumas marcas da passagem do império por esta zona. Um período marcante da história deste concelho aconteceu nos séculos XIII e XIV, durante o qual se afirmou como importante porto comercial, beneficiando da facilidade de transporte de bens e materiais através do Rio Mira, os quais acabavam por ser trocados com comerciantes genoveses e espanhóis. Nos séculos seguintes o município reteve a sua importância pela sua posição estratégica de defesa da costa e mais recentemente, como importante pólo turístico e cultural.

Visitar Odemira

Barragem de Santa Clara

Situada no extremo sudeste do concelho, a barragem de Santa Clara é uma janela para oportunidades de lazer e relaxamento, mantendo uma comunhão única com a paisagem alentejana que se dispõe com um manto em volta da albufeira. Para desfrutarmos de todo este potencial, percorremos toda a albufeira de barco. Esta actividade dá-nos uma perspectiva totalmente diferente da paisagem envolvente, mas também da história que está associada a este local.

Tendo sido construída em 1969, esta foi durante vários anos a maior barragem do país. A larga extensão desta albufeira levou a que várias habitações ficassem submersas aquando da sua entrada em funcionamento. Ainda hoje é possível observar várias destas habitações, sendo inclusive possível observar toda a estrutura em pedra de algumas casas o que nos oferece uma janela privilegiada para o passado. Esta foi uma experiência absolutamente fantástica e destacamos também a vista magnífica que se tem desta albufeira, sem nunca perder a calma e o silêncio relaxante que aqui elevam qualquer passeio a um momento de pura contemplação.

Porto das Barcas

Algo que tentamos sempre quando viajamos é capturar a verdadeira essência do dia-a-dia dos locais. Conhecer Porto das Barcas foi a concretização desse objectivo ao visitar Odemira. Este porto de pesca está encaixado numa pequena praia entre falésias escarpadas e oferece também uma paisagem muito interessante e que se desenrola à medida que percorremos o pontão em direcção ao mar. Assim, se num primeiro momento o nosso olhar se fixa nas águas azul-turquesa que banham a praia rochosa alguns metros mais à frente, no extremo do pontão ficamos frente a frente com a força do mar que vai embatendo furiosamente nas rochas escuras.

Ao voltarmos novamente ao porto de pesca, ficámos fascinados com a quantidade de material de pesca que ladeia a rampa de acesso, desde de redes de pesca, bóias e arpões. Depois de uma longa subida até ao parque de estacionamento, reparamos ainda nas habitações de pescadores, de cores vivas mas gastas pelo sal e pela maresia. Pensamos nas dificuldades de quem ganha a vida no mar e no quão genuíno este local consegue ser. Aconselhamos a todos que passem por aqui para absorver a história piscatória do concelho e destas gentes.

Zambujeira do Mar

Muitos dirão que os locais já muito divulgados não merecem ser visitados, porque pouco há para descobrir, mas nós não concordamos com essa visão. A nossa visita à Zambujeira do Mar prova isso mesmo. É impossível não nos perdermos na vista magnífica que a Zambujeira nos oferece, com a praia encaixada nas falésias imponentes enquanto a vila se dispõe de forma arriscada em frente ao mar. Apesar de toda esta beleza, a maior surpresa é a que encontramos nas falésias em redor da praia e que nos oferecem um olhar totalmente diferente para a costa nesta zona e acima de tudo, um momento único com menos turismo e em perfeita comunhão com a natureza.

Destacamos também a capela de Nossa Senhora do Mar, junto à vila e no topo de uma das falésias. Com uma arquitectura em linha com o típico alentejano, esta capela enquadra-se perfeitamente na paisagem envolvente e apresenta uma imagem exterior cativante.

Cabo Sardão

Integrado no parque natural do sudoeste alentejano e costa vicentina, o cabo sardão é possivelmente o expoente máximo da beleza ímpar que encontramos ao visitar Odemira. Constituindo o ponto mais ocidental da costa alentejana, é aqui que encontramos o farol com o mesmo nome construído em 1915. A imponência desta estrutura contrasta com a paisagem verde e plana que marca a costa nesta zona. Ficámos a saber que o farol foi construído com uma incorrecção mas demorámos algum tempo a descobri-la. Passados alguns momentos reparámos finalmente que a torre com a lanterna foi construída para terra, ao invés de ser virada para mar, como suposto. Ainda assim, mantém uma estrutura extremamente interessante e que mantém a sua actividade, com vários faroleiros a viverem ali permanentemente.

Prosseguimos por um dos vários trilhos que partem deste ponto e que são parte integrantes da rota vicentina (Podem ler mais aqui) . Daqui o nosso olhar perde-se no horizonte, entre falésias e um mar sem vista. O cheiro é marcante, com um misto de mar e flores, num hino perfeito a todos os sentidos. É impossível não fecharmos os olhos e sentirmos só… o vento, o mar, não pensar, desfrutar.

Praia do Almograve

Ao visitar Odemira é impossível não visitar as suas praias magníficas, possivelmente das melhores do nosso país. O nosso percurso passou pela praia do Almograve, uma praia de areia clara que repousa no fundo de uma falésia baixa, quase como uma baía abraçada pelo mar calmo. O pôr do sol é magnífico num dos vários bares sobre a praia e este é o local ideal para um dia longe da confusão ou um simples momento de convívio no fim do dia.

Visitar Odemira
Praia do Almograve

Vila de Odemira

A sede deste município incrível é na realidade uma conjugação perfeita de tudo o que encontrámos na nossa viagem. Disposta nas margens do rio Mira, a vila de Odemira recebe-nos com um toque de modernidade numa simbiose perfeita com a envolvente tradicional. A zona ribeirinha renovada oferece um passeio incrível nas margens do rio e a nova ponte pedonal é acima de tudo visionária, sinalizando que este é um Alentejo que se reinventa, mas que não abandona as suas raízes.

Foi esta mesma dinâmica que encontrámos no centro da vila, com praças agradáveis e impecavelmente cuidadas, cheias de vida e com um património histórico muito interessante, do qual destacamos o edifício da câmara municipal de Odemira, que foi em tempos um convento e mais tarde um presídio. Também o miradouro do Castelo, onde hoje se encontra a biblioteca, oferece uma vista única sobre a vila e um local perfeito para descansar e ler um livro.

Vila Nova de Milfontes

Uma das referências do município de Odemira, Vila Nova de Milfontes é o destino adequado para os amantes de praia e natureza. Situada na foz do rio Mira, esta vila foi historicamente a capital comercial do concelho e ainda hoje mantém um edificado tradicional antigo e visualmente atractivo. A experiência que tivemos permitiu-nos conhecer esta vila de uma perspectiva totalmente diferente. Fizemos o passeio de barco no rio Mira numa tarde solarenga que chamava o Verão. Daqui avistámos as várias praias nesta zona, algumas no rio Mira e outras já com enquadramento para o mar, mas sempre com uma beleza marcante.

Do rio avistamos também o forte de Milfontes, uma estrutura que teve uma importância preponderante durante a reconquista cristã e mais tarde, protegendo esta vila dos ataques de piratas. Acima de tudo, a viagem de barco é também uma viagem pelo passado, presente e futuro desta vila que nos reserva tantas surpresas.

Visitar Odemira – Onde Comer?

Um dos pontos fortes do município de Odemira é a sua gastronomia. Aqui encontramos pratos magníficos de peixe fresco, uma carne suculenta cozinhada com receitas centenárias e doces que nos fazem chorar por mais. Foi esta ligação que encontrámos em todos os restaurantes que visitámos, sempre com uma explosão de sabores marcante e com um toque de modernidade, que na nossa opinião, eleva a gastronomia do concelho a um nível ímpar e merecedor de uma visita dedicada. Destacamos os seguintes restaurantes: Restaurante Oásis, Restaurante Alento, Restaurante o Sacas.

Agradecimentos

Queremos desde já agradecer ao Município de Odemira, na pessoa da Marlene Coelho, a oferta que nos foi feita no âmbito da FEITUR e que nos permitiu passar este fim de semana a visitar o concelho. Acima de tudo, sentimos-nos em casa e fomos recebidos por todos com imensa simpatia e disponibilidade. Fizemos amigos, descobrimos um concelho magnífico, mas acima de tudo, ficámos com vontade de voltar e é esta vontade que queremos transmitir com o nosso artigo. Um muito obrigado por tudo!

Sugerimos

Deixe um comentário