Angra do Heroísmo – Bastião de história no Atlântico

por 2serependiters
1 Comentário

Descobrir a ilha Terceira é muito mais do percorrer caminhos rodeados de magníficas paisagens naturais. Esta ilha, como o resto dos Açores, oferece-nos também um património histórico e cultural ímpar, sobretudo pelo facto de se manter praticamente inalterável desde a sua construção. Assim, a cidade de Angra do Heroísmo é possivelmente uma das cidades em Portugal com maior número de monumentos que se mantêm ainda na sua estrutura original e isso faz deste local um verdadeiro paraíso para todos os fãs de história, como nós, mas também para todos os visitantes desta ilha magnífica.

Começámos então o nosso roteiro na ilha Terceira pela magnífica cidade de Angra do Heroísmo, capital e cidade mais populosa da ilha. Historicamente, esta foi a capital dos Açores durante um vasto período e a sede religiosa de todo o arquipélago, sendo acima de tudo um museu edificado perante os nossos olhos. Todo o centro histórico é património da UNESCO desde 1983 e está repleto de monumentos a descobrir e ruas típicas a explorar.

Roteiro por Angra do Heroísmo

Santuário de Nossa Senhora da Conceição

A apenas a alguns metros do hotel onde estávamos alojados encontrámos o Santuário de Nossa Senhora da Conceição, um dos mais antigos monumentos da cidade, remontando a ermida com o mesmo nome ao ano de 1460. Somos imediatamente cativados pela fachada desta igreja, iluminada pelo contraste perfeito entre o branco caiado e o azul vivo que cobre os retalhos das janelas e o arco da porta imponente. Também as casas coloridas que a rodeiam criam um cenário absolutamente cativante, pela sua singularidade arquitectónica e tipicidade.

Miradouro da Rua do Faleiro

A Rua do Faleiro vai descendo na direcção do centro histórico, numa vertente acentuada que segue para a marina da cidade. A meio do caminho encontramos um espaço largo, com estátuas modernas e metálicas e com alguns bancos junto ao muro. Daqui avistamos todo o centro histórico, desorganizado na sua perfeição harmoniosa, com o Monte Brasil no nosso horizonte e um pequeno veleiro, que no seu ritmo calmo abandona a cidade em direcção ao oceano sem fim. Acima de tudo, sentimos-mos livres aqui. Fixamos mais uma vez esta vista incrível à medida que o sol se põe sobre a cidade.

Angra do Heroísmo
Vista para a cidade a partir do miradouro

Igreja da Misericórdia

Calcorreamos as ruas de pedra escura e rapidamente chegamos à zona baixa da cidade, a mais antiga e mais central. A rua estreita que percorremos termina quando chegamos ao pátio da alfândega. Rapidamente fixamos o nosso olhar na imponência e na beleza exterior da igreja da Misericórdia.  Mantendo o mesmo padrão branco e azul que vimos na igreja anterior, a heráldica portuguesa sobressai a vermelho por cima da porta principal, com um trabalhado verdadeiramente incrível. Descobrimos que esta igreja foi durante vários anos, no início da colonização da ilha, um hospital e local de culto religioso dos primeiros capitães a chegar à ilha. Foi também a casa de várias ordens religiosas, sendo actualmente um dos monumentos mais retratados desta cidade.

Centro histórico

Na mesma praça da igreja da Misericórdia encontramos a estátua de Vasco da Gama, num movimento de determinação e de obstinação que transmite acima de tudo coragem. É também aqui que se encontra a antiga (e actual) alfândega e uma janela para o oceano, povoada pelos vários barcos atracados na marina. Seguimos pela Rua direita, uma das mais antigas da cidade e, acima de tudo, uma exposição incrível da típica arquitectura insular açoriana, com a sua pedra escura a contrastar com as cores vivas das fachadas. A praça principal da cidade dispõe-se agora com a toda a sua beleza, com a câmara municipal de Angra do Heroísmo em destaque. Este é um edifício muito similar aos que encontramos no centro histórico de Ponta Delgada. Aqui encontram-se actualmente vários cafés e esplanadas onde é possível desfrutar das tardes e noites amenas desta ilha açoriana nesta altura do ano. Daqui segue também a Rua da Sé, que nos fascinou pelo enquadramento perfeito entre o seus candeeiros antigos, as flores coloridas e o relógio que se destaca de um edifício e que entra nesta pintura como uma luva numa mão. Aconselhamos a que explorem as várias ruas desta zona e que se percam nas lojas, galerias e pequenas praças do centro histórico de Angra do Heroísmo.

Museu de Angra do Heroísmo e jardim duque da Terceira

No topo de uma rua inclinada que parte da praça da câmara municipal encontramos o Museu de Angra do Heroísmo. Construído em 1969, este museu aproveitou a estrutura antiga do convento de São Francisco e da igreja de Nossa Senhora da Guia. Aqui terão habitado monges franciscanos desde a colonização da ilha, constituindo este local à época a maior congregação de franciscanos de todo o arquipélago. Tendo toda esta base histórica e religiosa, o museu incluiu assim no seu espólio muitos artefactos e objectos que faziam também parte do convento.

A arquitectura da igreja de Nossa Senhora da Guia é peculiar, mantendo o estilo insular a que nos vamos habituando à medida que vamos percorrendo a cidade, mas desta vez com tons alaranjados, vermelhos e brancos, um pouco na alusão ao mesmo tipo de arquitectura que os colonos portugueses desenvolveram no Brasil Colonial. A nossa maior surpresa aconteceu ao descobrirmos que aqui existe também o principal jardim da cidade, o jardim duque da Terceira. No entanto, não estávamos definitivamente à espera do que ali encontrámos. Mais do que um simples jardim, aqui a ao percorrer os caminhos de pedra cinzenta que calcorreiam os vários canteiros e áreas ajardinadas, encontramos também várias espécies únicas de flores e plantas, fontes exóticas e um coreto vermelho que se destaca no centro. Aqui conversámos um pouco com um dos locais sobre as particularidades deste jardim. Ficámos mesmo fascinados e estamos certos de que este é um dos melhores recantos a descobrir na cidade de Angra do Heroísmo.

Alto da Memória

Do jardim segue uma escadaria imponente que desafia a inclinação que marca esta cidade. Depois de uma subida bastante exigente, chegamos finalmente ao alto da memória. Neste ponto do qual se avista toda a cidade e o oceano terá existido o primeiro castelo da ilha. O monumento actual foi construído no século XIX, aquando da visita de D. Pedro IV à ilha em 1856. O Obelisco é um monumento imponente, pintado de branco e laranja, com vários trabalhados que sobressaem na base e que o tornam distinto. Daqui conseguimos a melhor vista para a cidade e, por entre placas que mostram a distância para outras cidades mundiais, avistamos o oceano no seu abraço contínuo a este bastião centenário.

Monte Brasil

Destacado do resto da ilha como um homem enfrenta a tempestade encontramos o Monte Brasil. Este monte localizado perto da cidade de Angra do Heroísmo resulta de um vulcão extinto que estava no mar, mas cujas erupções formaram uma ponte de ligação com a formação geológica da ilha terceira. Actualmente, existem neste monte verdejante cerca de quatro picos e duas baías, mas acima de tudo, destacamos a reserva natural aqui constituída e que proporciona não só uma vista magnífica, mas também um óptimo local para desporto, lazer e exploração natural. É possível chegar ao miradouro do pico da cruzinhas de carro e estacionar sem grande problema. Aqui encontra-se um monumento em honra do V centenário da descoberta dos Açores. É também possível observar os vários canhões de artilharia aqui instalados e que historicamente protegeram a ilha durante os últimos séculos, e ainda hoje, visto esta ser também uma área militar.

No entanto, aconselhamos simultaneamente a que visitem o Pico do facho, a alguns metros de distância do pico das cruzinhas. Aqui, para além de uma vista magnífica para a caldeira do Monte Brasil, encontramos um antigo farol de sinalização de padrões, onde ainda é possível observar o sistema manual de funcionamento e onde existem também vários quadros que mostram quais os padrões marítimos utilizados e o seu significado.

A última surpresa do Monte Brasil aconteceu ao descermos novamente para a cidade de Angra do Heroísmo.  Quase a entrar na cidade, encontramos a fortaleza de São João Batista. Construída durante o período Filipino, esta é considerada a maior e mais importante fortaleza dos Açores e uma das maiores fortalezas ultramarinas construídas pelos portugueses. Percorremos a primeira série de muralhas até chegarmos à principal entrada. Ficámos verdadeiramente surpreendidos com esta estrutura, toda em pedra, com o brasão português gravado sobre o portão e com a ponte sob o antigo fosso de água, hoje em dia apenas preenchido com ervas e pedras. É possível visitar o interior da fortaleza, no entanto, esta estava fechada no dia da nossa visita. Ainda assim, a visita exterior é gratuita e vale totalmente a pena.

Visitar Angra do Heroísmo é acima de tudo percorrer um passado rico e cheio de surpresas, mas também descobrir uma cidade que se integra com a natureza gritante da ilha Terceira, numa harmonia que nos marca e nos contagia. É uma excelente porta de entrada para a ilha Terceira e para o Arquipélago dos Açores e um local a que queremos voltar.

1 Comentário

Hotel Cruzeiro, viajar pelos Açores numa só estadia - 2Serependiters Junho 27, 2019 - 8:36 am

[…] vimos no nosso artigo sobre Angra do Heroísmo, esta é uma cidade que nos leva a viajar através de um património riquíssimo, que guarda uma […]

Responder

Deixe um comentário