Herdade das Servas, vinhos que marcam

por 2serependiters
0 Comentário

Um dos maiores tesouros do Alentejo, para além da magnífica gastronomia que se apura em cada recanto, é a sua produção e tradição vinícola. É todo este património associado à produção de vinho que vamos encontrando nas estradas Alentejanas, onde o contraste entre o verde das vinhas e o amarelo do feno seco vai pintando uma paisagem fantástica, que nos marca e cativa a cada momento. Queríamos então encontrar um local onde pudéssemos descobrir mais sobre a arte da produção de vinho, e em particular, sobre a marca que esta actividade tem deixado no Alentejo, criando uma história e um acervo de histórias que não deixasse ninguém indiferente. A nossa escolha recaiu assim sobre Herdade das Servas, a apenas alguns minutos de distância da cidade de Estremoz.

Herdade das Servas – Uma história ímpar

Toda a arte da produção vinícola que nos chega agora sob a forma de vinhos magníficos teve, segundo fontes históricas, origem há mais de 300 anos. São 13 gerações de uma família que manteve sempre uma forte ligação à produção de vinho, estando esta objectivada para todos os visitantes. Tudo isto porque para além de uma colecção de vinhos verdadeiramente incrível, existe ainda uma talha em barro usada na produção de vinho que remonta a 1667.

A herdade das Servas propriamente dita foi construída mais recentemente, no entanto, conserva em si um peso histórico que se faz sentir em cada recanto, na conversa com os colaboradores e em toda a paisagem vinícola que rodeia o edifício principal. São no total, 300 hectares de vinha, com idades variadas, chegando aos 65 anos. É toda esta riqueza magnífica que nos cativou desde o primeiro momento e que nos fez ter a certeza que que a Herdade das Servas foi a escolha certa.

Talha de barro que remonta a 1667

A nossa experiência

Saímos do Páteo dos Solares, em Estremoz, e 15 minutos depois já estávamos com a vinha das Servas à nossa esquerda. O portão imponente recebe-nos e seguimos por um pequeno caminho ladeado de fileiras com árvores, serpenteando por entre campos e colinas preenchidas com vinhas.

Breves momentos depois chegamos finalmente ao edifício principal da herdade. Do local onde estacionámos, avistamos um lago no fundo das colinas verdes. Rapidamente percebemos que a herdade das Servas, para além do foco na produção vinícola, tem também um restaurante magnífico, onde os sabores alentejanos se cruzam com vinhos especiais, num hino perfeito ao melhor que esta região nos oferece.

Somos recebidos com extrema simpatia e amabilidade pela nossa anfitriã, que já nos esperava. Damos por nós e estamos na zona de produção, uma área ampla e preenchida por cubas de fermentação, reservatórios e outros instrumentos essenciais neste processo, que é complexo e extremamente controlado. Destacamos sobretudo o esforço que tem sido feito no sentido de modernizar o processo, assegurando, no entanto, que os processos chave são mantidos de forma tradicional, o que permite obter um vinho ímpar, como mais tarde na visita podemos comprovar.

Continuamos a descobrir a herdade e o próximo ponto da visita é a cave de maturação. Ficámos imediatamente deslumbrados com a sucessão ordenada de barricas, contendo o produto de anos de trabalho, de arte e de tradição. Ficámos a conhecer o papel da madeira no processo de maturação e influência que esta tem nas notas do vinho, assegurando sobretudo sabores baunilhados e silvestres.

Seguimos pela cave onde se guardam os vinhos mais antigos e as colheitas especiais. Aqui, ficamos impressionados com tanta variedade e riqueza patrimonial. Tudo isto disposto em armários embutidos na parede, totalmente preenchidos por garrafas desde o chão até ao tecto. No final, somos ainda brindados com vários instrumentos antigos utilizados na produção vinícola. Não temos qualquer dúvida de que esta parte da visita é uma verdadeira experiência museológica e oferece a qualquer visitante um momento riquíssimo, que vai para além da Herdade das Servas, percorrendo a própria história da arte de fazer vinho.

A visita termina na sala de provas, que é também a loja da herdade. O espaço é surpreendente e extremamente agradável, criando um ambiente relaxado e familiar onde se podem provar os vinhos com o tempo e calma necessários. Ficamos então a conhecer os vários vinhos da Herdade das Servas, numa prova extremamente completa e sempre acompanhada de uma explicação detalhada, mas acima de tudo, acessível e interessante. O nosso destaque vai sobretudo para a existência de vários vinhos monocasta e de um vinho cuja maturação é feita em inox, para aqueles que não apreciam as notas da madeira.

Adorámos o Herdade das Servas Alicante Bouschet e o Monte das servas tinto, dois vinhos que acima de tudo são uma viagem: Passamos pelos campos Alentejanos, pelos pequenos lagos nas herdades rodeados de erva, seca e verde, e terminamos com o toque florestal da madeira. Foi acima de tudo um momento em que descobrimos o Alentejo, numa história contada por vinhos magníficos.

Destacamos também as colheitas seleccionadas, tintas e brancas, com uma composição extremamente interessante e complexa, que não vai deixar ninguém indiferente. No final é-nos transmitido que a herdade das Servas tem feito sobretudo uma aposta na produção de vinhos de gama média e alta, num foco claro na qualidade e na maximização das vinhas incríveis que possuem.

A visita termina com um pequeno passeio nas zonas exteriores da Herdade. Tudo foi renovado e construído para potenciar a experiência de quem quer desfrutar deste espaço de enoturismo. Ficamos a saber que é também daqui que se consegue desfrutar de um magnífico por do sol enquanto se prova um dos fantásticos vinhos que provámos anteriormente.

Acima de tudo, a Herdade das Servas oferece uma experiência de enoturismo que marca, mantendo sempre uma harmonia perfeita com o melhor que o Alentejo tem para oferecer. Aconselhamos vivamente uma visita a todos os que se interessam por vinhos ou que gostam simplesmente de selar um bom momento com um bom vinho. Visitar a Herdade das Servas é viajar no Alentejo, numa história contada por vinhos especiais e tradições centenárias.

Sugerimos

Deixe um comentário